Ordenação sacerdotal de Dom Tomás de Aquino

sábado, 14 de julho de 2018

Comentários Eleison DLXX (570) - Roma prepara-se?

Por Dom Richard N. Williamson
16 de junho de 2018
Blog Borboletas ao Luar


Como alguém pode fingir que a luta pela fé é inexistente?
O que mais poderia ser nossa situação presente?


      No contexto da crise que envolveu a Igreja Católica no último meio século desde o Vaticano II (1962-1965), dois movimentos recentes das autoridades da Igreja em Roma podem parecer surpreendentes, porque ambos os movimentos parecem favorecer a Tradição Católica que o Papa Francisco dá tantas indicações de querer arrancar de uma vez por todas. O Lobo Mau realmente quer ser gentil com a Chapeuzinho Vermelho da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, ou esses dois outros movimentos astuciosos a prenderão em seu covil Conciliar? Estará Roma também preparando-se para o Capítulo Geral da Fraternidade em meados de julho?

      O primeiro dos dois movimentos foi em meados de fevereiro deste ano, quando a Comissão Ecclesia Dei, lançada em Roma em 1988 para desacelerar a Tradição Católica, porque esta estava ameaçando acelerar, concedeu à semitradicional Fraternidade de São Pedro o uso dos ritos litúrgicos fortemente tradicionais da Semana Santa. Estes são os ritos que se utilizaram durante séculos e séculos antes da reforma da liturgia realizada pelo Cardeal Bugnini na década de 1950, que pavimentou o caminho para a Missa Nova na década de 1960. Como os ritos da Semana Santa, estes mais antigos estão se tornando cada vez mais populares entre os católicos que repudiam a Missa Nova, porque contêm tantas características contrárias a esta liturgia modernista que Paulo VI impôs por meio de enganos administrativos à Igreja Universal em 1969. Roma está finalmente afastando-se da Missa Nova?

      Dificilmente. Como diz a famosa frase de Virgílio: “Seja o que for, não confio nos gregos, mesmo quando trazem presentes”. Este presente para a Tradição pode facilmente ter sido projetado por Roma para persuadir todos os tipos de Chapeuzinhos Vermelhos, especialmente os participantes do Capítulo Geral de Julho, de que o Grande Lobo Mau não é tão mau assim. O Capítulo é importante para Roma: esse bastião da Fé erigido pelo Arcebispo deve ser desmantelado, porque a verdadeira luta do Arcebispo Lefebvre pela Fé foi um obstáculo real na marcha progressiva da Nova Ordem Mundial, fora de toda proporção para o tamanho da Fraternidade. A luta foi severamente enfraquecida desde sua morte, mas Roma teme que o Capítulo a reanime. Roma quer outro liberal como Superior Geral, ou pelo menos um candidato condescendente, mas não um lutador pela fé!

      O outro movimento surpreendente de Roma foi em 16 de maio, quando um conhecido jornalista do Vaticano, Andrea Tornielli, destacou um extrato de um livro recentemente publicado, escrito por um oficial romano sobre o Papa Paulo VI (1963-1978). O extrato é um relato detalhado da conversa de setembro de 1976 entre o Papa e o Arcebispo Lefebvre, tida dois meses depois da Missa celebrada pelo Arcebispo em frente a uma enorme multidão em Lisle, na França. Essa missa marcou o início do movimento tradicional, e então o Papa quis refrear o Arcebispo. A conversa que durou pouco mais de meia hora foi anotada pelos romanos naquela época, e foi descrita de maneira um pouco diferente pelo Arcebispo depois, mas os romanos guardaram o conteúdo para si mesmos nos últimos quarenta e dois anos. Por que publicá-la agora?

      A resposta deve estar no “um pouco diferente”. O admirável site da Internet da América Latina, Non Possumus, publicou, um ao lado do outro, os detalhes divulgados pelos romanos e o relato do próprio Arcebispo sobre a conversa. Os leitores de Non Possumus podem comprovar por si mesmos como os romanos encobriram a cegueira de Paulo VI e sua própria vilania. Exemplo notável: Paulo VI acusou o Arcebispo de fazer seus seminaristas jurarem contra o Papa... algo absolutamente falso. O Arcebispo declarou-se disposto a jurar sobre um crucifixo que o Papa o havia acusado de tal juramento. Um porta-voz romano negou oficialmente que houvesse qualquer menção a esse juramento.

      Do mesmo modo, a versão de Roma passa por cima do abismo entre o modernismo de Paulo VI e a Fé do Arcebispo, como se os capitulares não precisassem se preocupar com a enorme lacuna entre a Roma Conciliar e a Fraternidade: que eles elejam outro liberal para seu Superior, mas um candidato condescendente já será suficiente!

Kyrie eleison.

Comentários Eleison DLXIX (569) - Preparam-se os liberais

Por Dom Richard N. Williamson
09 de junho de 2018


Capitulantes, a Igreja e a Fé vêm primeiro,
E Menzingen tem de sair perdendo!

 Nem todos estão dormindo. Alguém na França está vigiando como os liberais estão-se preparando para assumirem o iminente Capítulo Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, no qual ela tem sua última chance – provavelmente a última mesmo – para defender a Fé Católica contra o Vaticano II, como o fez Dom Lefebvre. Quem quer que seja essa pessoa, ela escreveu um excelente artigo no Fidélité catholique francophone denunciando certas palavras sinistras do Secretário Geral da Fraternidade, o Pe. Christian Thouvenot, ditas em uma entrevista à revista do Distrito alemão da Fraternidade, no início deste ano. O que se segue deve muito a este artigo.

 Em primeiro lugar, as palavras sinistras: “É provável que a questão do presente status de Prelazia Pessoal seja levantado no Capítulo Geral (em julho). Mas só o Superior Geral está na chefia da Fraternidade, e ele é o único responsável pelas relações entre a Tradição e a Santa Sé. Em 1988, Dom Lefebvre deixou este ponto bem claro”. Estas palavras são sinistras porque permitem que se interprete que Menzingen, o Quartel-general da Fraternidade no qual o Pe. Thouvenot trabalha, esteja preparando membros e seguidores da Fraternidade para que o Capítulo Geral seja o momento e o lugar no qual Dom Fellay legalmente tomará para si a responsabilidade de aceitar a oferta de Roma de uma Prelazia Pessoal, e, aceitando-a, mutile de uma vez por todas a habilidade da Fraternidade de defender a Fé resistindo à Missa Novus Ordo e ao Concílio Vaticano II. E estas palavras são sinistras porque são ambíguas ou falsas.

 Em primeiro lugar, não é o Superior Geral sozinho o chefe da Fraternidade. Pelos Estatutos da Fraternidade estabelecidos por Dom Lefebvre, é verdade que, uma vez eleito o Superior Geral, ele tem notáveis poderes ao seu dispor, e pelo prazo de no mínimo doze anos, porque o Arcebispo queria que o Superior Geral tivesse tempo e poder para fazer algo, sem ser impedido como ele mesmo tinha sido pelos Padres do Espírito Santo. Mas o encontro do Capítulo Geral a cada seis ou doze anos está acima do Superior Geral, e ele deve seguir as políticas decididas ali. Hoje, na teoria, o Capítulo Geral de 2012 decidiu que qualquer “normalização canônica” da Fraternidade requereria uma maioria de votos do Capítulo Geral inteiro, mas, na prática, Dom Fellay já prosseguiu para “normalizar” com Roma as confissões da Fraternidade, as ordenações e os matrimônios. E hoje seu Secretário Geral fala como se o Capítulo Geral não tivesse mais nada por dizer, como se Dom Fellay sozinho pudesse “normalizar” o restante. Será que todos os quarenta futuros capitulantes de julho estão cientes do que Menzingen está dizendo? Eles concordam com isso?

 Em segundo lugar, o Pe. Thouvent afirma que Dom Fellay – sozinho? – é responsável pelas relações entre a Tradição Católica e a Santa Sé. Não há dúvida de que ambos, Roma e o próprio Dom Fellay, gostariam deste quadro, pois Roma poderia garfar toda a “Tradição” de uma vez só, e Dom Fellay estenderia seu império. Mas “Tradição” é uma coleção de variadas e heterogêneas sociedades e comunidades religiosas que certamente não concordam todas em serem garfadas pela Roma Conciliar, ou lideradas por Dom Fellay. Por esta razão, Dom Lefebvre repetidamente se recusava a ser chamado chefe da Tradição Católica. Mas ambos, Dom Fellay e seu Secretário, estão jogando o jogo da Roma Conciliar.

 E, em terceiro lugar, se o Arcebispo insistia, no tempo das sagrações, em 1988, que ele sozinho ainda estava no controle das relações da Fraternidade com Roma, era porque sabia que os jovens colaboradores ao seu redor não eram páreos para os astutos romanos, como vimos nós mesmos desde a sua morte em 1991. Não foi por confiança na estrutura da Fraternidade que ele dotou o Superior Geral de uma graça especial para estar à altura dos romanos conciliares. Quando os homens querem errar, não é necessariamente uma estrutura que irá salvá-los. Mas o que o Arcebispo poderia fazer? Ele teria de morrer algum dia!

 Leitores, se vocês conhecem algum capitulante de julho, pergunte-o se ele sabe o que o Secretário Geral está dizendo!  

 Kyrie eleison.

 Traduzido por Leticia Fantin.

domingo, 3 de junho de 2018

Comentários Eleison DLXXVIII (568) - Mozart Contestado

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Introibo ad Altare Dei

02 de junho de 2018


A natureza precisa de música: que ambas sejam, assim, apreciadas.
Paga caro quem faz com que elas sejam desprezadas.


      Depois que o número 550 destes “Comentários” elogiou Mozart (27 de janeiro de 2018), um leitor escreveu em privado para dizer que tinha um problema com o famoso compositor: Mozart foi um maçom entusiasta, que na segunda metade de sua vida não compôs nenhuma obra importante para a Igreja Católica, e suas óperas tratam das relações entre homem e mulher e da moralidade de maneira muito casual. Ora, a música é tão importante na alma das pessoas que as objeções deste leitor merecem ser respondidas em público, para que as pessoas que ainda não conhecem Mozart possam ser encorajadas – mas não forçadas, obviamente – a fazer dele a música de seus momentos de lazer. Portanto, vamos destacar alguns princípios para cada uma das três objeções do leitor.

      O fato de que Mozart foi um maçom levanta um princípio importantíssimo: o artista e sua arte não estão separados, mas são distintos. O que constitui a bondade moral do artista como pessoa não é o mesmo que constitui a bondade artística dos artefatos que produz (Summa Theologiae, 1a 2ae, Q57, Art. 3). Assim, Picasso era pessoalmente um canalha, mas sua arte, puramente como arte, é brilhante, enquanto incontáveis pintores vitorianos podem ter sido muito morais, mas suas pinturas são tão sombrias quanto a água de poço. Assim, a Maçonaria certamente entrou em algumas das músicas posteriores de Mozart, notavelmente a “Flauta Mágica”, mas a música está em suas próprias bases, e certamente deve sua beleza não à guerra da Maçonaria contra Deus, mas aos pais católicos de Mozart e sua educação inicial na altamente católica Áustria da Imperatriz Maria Teresa.

      O fato de que, em segundo lugar, o maduro Mozart nunca completou outra obra importante para a Igreja é verdadeiro na medida em que a “Missa em Dó Menor” e o “Réquiem” estão inacabados, mas com que frequência essas duas obras são tocadas, e com que efeito religioso! Além disso, há alguma peça musical tantas vezes executada ou cantada em igrejas e capelas católicas como o seu “Ave Verum Corpus”? E se distinguimos a música implicitamente da explicitamente católica, alguém pode negar que Mozart, como Shakespeare, é um tremendo portador de valores católicos, no caso de Mozart, os valores de harmonia, ordem, beleza e alegria para incontáveis ouvintes? E não são esses grandes artistas, implicitamente, e pela herança católica, uma misericórdia de Deus para permitir que os pós-católicos desfrutem dos valores católicos sem perceberem? Se os pós-católicos se apercebessem disso, não repudiariam esses valores como os liberais que atualmente “desconstroem” Shakespeare nas chamadas “universidades” e, sem dúvida, Mozart nos “conservatórios de música”? Na verdade, os atores e músicos liberais de hoje podem chegar perto do coração de Shakespeare ou do de Mozart? O que isso diz sobre esse coração? Não liberal!

      E em terceiro lugar, o fato de que algumas das óperas de Mozart sejam em parte tão despreocupadas a ponto de incorrerem no desprezo de Beethoven – “Eu nunca escreveria essas óperas tão frívolas”, disse ele – deixa de lado a parte séria das mesmas óperas. Ao lado do flerte de Zerlina estão as chamas da condenação de Don Giovanni; ao lado do Conde mulherengo está sua sincera desculpa à sua sofrida Condessa; ao lado de Seraglio está o resplendor do perdão. A vida real num mundo caído é ao mesmo tempo cômica e séria. Veja como, no início de “Don Giovanni”, Mozart combina musicalmente o duelo e a morte de um duelista com o pânico borbulhante do criado coelho de Dom Giovanni, Leporello. Mozart certamente, como Shakespeare, “via a vida com firmeza, e a via completa”, como disse Matthew Arnold de Sófocles.

      No entanto, um lado de Mozart segue sendo o de um menino travesso (cf. o filme “Amadeus”), e ele é parte integrante de uma cristandade já decadente no final do século XVIII. Mas quando comparado com a decadência da música desde então, sua música não é quase angelical, sem que esteja tão distante de nossos tempos a ponto de parecer inacessível? Qualquer homem prejudica sua alma se acostumando a ouvir música que é lixo, com pouco ou nenhum valor intrínseco de melodia, harmonia ou ritmo. Ele não prejudicará sua alma se acostumar-se a ouvir Mozart, muito pelo contrário.

      Kyrie eleison.

sábado, 2 de junho de 2018

O SÁBADO DOS SACERDOTES

O SÁBADO DOS SACERDOTES

É uma prática que nasceu de um sacerdote salvatoriano, na Alemanha.
Abençoada pelo Santo Padre e recomendada por muitos Bispos, principalmente brasileiros, consiste esta devoção em consagrar o sábado depois da 1ª sexta-feira do mês, à santificação dos Sacerdotes e ao recrutamento e conservação das Vocações sacerdotais.

Sem constituir uma associação propriamente dita, comprometem-se as almas piedosas a consagrar todo o dia do sábado, que segue imediatamente à primeira sexta-feira do mês, à santificação do clero e dos candidatos ao sacerdócio.
Nessa piedosa intenção oferecem ao Coração Eucarístico de Jesus, pelas mãos de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, todos os pensamentos, palavras e obras do dia, orações, trabalhos, sacrifícios, alegrias e sofrimentos, particularmente a Santa Missa e a Sagrada Comunhão, para que Nosso Senhor nos dê Sacerdotes segundo o seu Coração e os preserve do espírito do mundo, dos seus perigos e tentações.
Conviria também oferecer, sendo possível, uma esmola para a Obra das Vocações.

PRECES PELA SANTIFICAÇÃO DO CLERO

Senhor, tende piedade de nós!
Senhor, tende piedade de nós!
Jesus Cristo, tende piedade de nós!
Jesus Cristo, tende piedade de nós!
Pai eterno, que sois Deus – tende piedade dos sacerdotes.
Filho, Redentor do mundo, que sois Deus – tende piedade dos sacerdotes.
Espírito Divino, que sois Deus – tende piedade dos sacerdotes.
Sagrado Coração de Jesus, modelo do coração sacerdotal – santificai os sacerdotes.
Jesus, bom Pastor, que dais a vida pelas vossas ovelhas, *
Jesus, sumo Sacerdote, que pelas almas vos sacrificastes na cruz,
Jesus, Vítima divina de nossos altares,
Jesus, Prisioneiro de nossos tabernáculos,
Jesus, Rei de amor, que desejais reinar em nossas almas,
Jesus, Rei de amor, que desejais reinar nas famílias,
Jesus, Rei de amor, que desejais reinar em nossa sociedade,
Jesus, Mestre divino, que desejais que o vosso Evangelho seja ensinado,
Jesus, amigo dos operários e dos pobres,
Jesus, consolo dos que sofrem,
Jesus, luz dos que procuram a verdade,
Jesus, que desejais sejam os vossos padres luz e sal da terra, santificai os sacerdotes.
_________
* Santificai os sacerdotes.

ORAÇÃO PELO CLERO

Deixai, ó Jesus, que em vosso Coração Eucarístico depositemos as mais ardentes preces pelo nosso clero.
Multiplicai as vocações sacerdotais em nossa Pátria; atraí ao vosso altar os filhos do nosso Brasil; chamai-os com instância ao vosso ministério!
Conservai na perfeita fidelidade ao vosso serviço aqueles a quem já chamastes; afervorai-os, purificai-os, santificai-os, não permitindo que se afastem do espírito da vossa Igreja.
Não consintais, ó Jesus, nós vos suplicamos, que debaixo do céu brasileiro sejam, por mãos indignas, profanados os vossos mistérios de amor.
Com instância vos pedimos: deixai que a misericórdia de vosso Coração vença a vossa justiça divina por aqueles que se recusaram à honra da vocação sacerdotal, ou desertaram das fileiras sagradas.
Por vossa Mãe, Maria Santíssima, Rainha dos sacerdotes, atendei, Jesus, a esta nossa insistente oração.
Ó Maria, ao vosso Coração confiamos o nosso clero: guiai-o, guardai-o, protegei-o, salvai-o!

terça-feira, 22 de maio de 2018

Comentários Eleison DLXVI (566) - Sonhos Piedosos II

Por Dom Richard N. Williamson
19 de maio de 2018
Borboletas ao Luar


A política não pode resolver os infortúnios da Igreja.
Somente a Fé pode derrubar seus adversários mundanos.

       Se há algo certo sobre a Tradição Católica e o Concílio Vaticano II é que eles são irreconciliáveis. É tentador pensar que possam ser reconciliados, certamente porque a letra dos dezesseis documentos do Concílio inclui certo número de verdades católicas. Mas o espírito do Concílio se dirige a uma nova religião centrada no homem, e, como o espírito inspirou a letra dos documentos, mesmo as verdades católicas que contém estão dominadas pelo “aggiornamento” conciliar, e tornaram-se parte deste. De fato, as verdades católicas (e a hierarquia) foram usadas pelos modernistas como transmissoras de seu veneno liberal, como um cavalo de Troia para suas heresias. Portanto, mesmo as verdades católicas estão envenenadas nos documentos conciliares. Assim, em 1990 Dom Lefebvre viu e disse que o Vaticano II estava 100% infectado pelo subjetivismo, enquanto em 2001 Dom Fellay disse que os documentos do Vaticano II são 95% aceitáveis.

      É verdadeiramente tentador fazer de conta que a Tradição Católica e o Vaticano II são reconciliáveis. Por este caminho não preciso mais ficar dividido entre seguir ao mesmo tempo a Autoridade Católica e a Verdade Católica, porque desde o Concílio, como disse o Arcebispo, os católicos foram forçados ou a obedecer aos Papas conciliares e distanciarem-se da Tradição Católica, ou a separar-se da Tradição e “desobedecer” a estes Papas. Daí a tentação de fingir de um jeito ou de outro que a Tradição e o Concílio são reconciliáveis. Mas o fato de que eles são irreconciliáveis é a realidade mais importante que governa hoje a vida da Igreja, e continuará sendo assim até que a Autoridade da Igreja volte à Verdade Católica de sempre. 

         Neste meio tempo, entretanto, o atual Superior Geral da Fraternidade do Arcebispo, Dom Fellay, está convicto de que a Tradição Católica e os romanos conciliares podem se reconciliar entre si, e desde que aprovou o GREC em 1990, esforçou-se por reuni-los. Seu problema é que não entende como o modernismo mantém as aparências católicas para que eles atuem como um cavalo de Troia para enganar almas católicas, enquanto não há um verdadeiro cavalo católico debaixo do que aparenta ser um. Mas Dom Fellay acredita que o cavalo falso tem todos os ingredientes de um cavalo verdadeiro, de modo que, com o terno e amoroso cuidado da Fraternidade, se tornará mais uma vez um cavalo católico. Muitos tradicionalistas permitiram-se crer nesta política equivocada e seguir sua liderança em direção aos romanos conciliares, mas os romanos, de sua parte, não foram enganados. Eles jogaram com sua política fazendo aparentes concessões à Fraternidade e à Tradição (por exemplo, autorizações para confessar, ordenar e realizar matrimônio) e simulando repetidamente que ele está à beira de obter reconhecimento canônico para a Fraternidade, de modo que “só falta o selo para o acordo’. Mas, diferentemente dele, os romanos têm claro em suas mentes que a Tradição Católica é irreconciliável com o Concílio deles, e é por isso que todas as vezes em que a levaram até à beira, insistiram para que a Fraternidade se submeta ao seu Concílio.

             Entretanto, a cada “concessão” que Dom Fellay aceitou para a Fraternidade, os romanos têm-no feito entrar ainda mais em sua armadilha, e ficou difícil para ele voltar atrás. A cada “concessão”, o acordo com Roma se tornou mais e mais uma realidade prática, com ou sem o “selo final”. Ao segurá-lo, por culpa própria de Dom Fellay, os romanos podem jogar com ele como um pescador joga com o peixe – pois como ele pode agora desfazer as “concessões” dadas e admitir que seus vinte anos de política foram um erro? – Mais ainda, que sua política foi um erro desde o princípio? Ao carecer da fé do Arcebispo, ele não entendeu corretamente o problema da Igreja e o “problema” da Fraternidade, e confiou na política humana para tentar resolver ambos. Mas, é claro, os romanos com dois mil anos de experiência foram os políticos mais hábeis – “Sua Excelência, basta de jogos. Por vinte anos fizemos todas as concessões, o senhor não fez nenhuma (grande mentira, já que aceitar as “concessões” conciliares é por si só fazer uma concessão a Roma). Antes de julho, ou o senhor aceita o Concílio, ou nós o excomungamos e mostramo-lo ao mundo como um fracasso. Escolha!”

      Esta é sem dúvida uma versão nua e crua de como os astutos romanos podem pressionar o Superior Geral, mas ele é que nunca deveria ter mendigado à Autoridade sem Verdade. No caso da Igreja Católica, uma Autoridade sem Verdade é, com efeito, uma Autoridade ineficaz.

         Kyrie eleison.

* Traduzido por Leticia Fantin.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Comentários Eleison DLXV (565) - Sonhos Piedosos - I

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Introibo ad Altare Dei

12 de maio de 2018

Pobre Menzingen perdida em seus sonhos piedosos.
A gentileza neomodernista não é o que parece.


      Em junho do ano passado um confrade na França escreveu um bom artigo sobre se a Fraternidade Sacerdotal São Pio X deveria ou não obter das autoridades da Igreja em Roma um status canônico que protegeria os interesses da própria Fraternidade. Obviamente, o quartel general desta em Menzingen, na Suíça, acredita que obterá tal status, e se o atual Superior Geral for reeleito para um terceiro mandato em julho, esse é o objetivo que a Fraternidade continuará a perseguir. No entanto, é bastante menos óbvio que esse objetivo deva ser perseguido. Um argumento de oito páginas inteiras de Ocampo nº 127 de junho de 2017 está resumido abaixo em uma única página.

      A posição do artigo é a de que a Fraternidade não pode de modo nenhum colocar-se sob as poderosas autoridades da Igreja imbuídas dos princípios da Revolução Francesa tal como incorporados no Vaticano II, porque são os Superiores que moldam os assuntos, e não o contrário. Dom Lefebvre fundou a Fraternidade para resistir à traição da fé católica pelo Vaticano II. Ao submeter-se aos conciliaristas, a Fraternidade estaria unindo-se aos traidores da Fé.

      As autoridades da Igreja são os bispos diocesanos e o Papa. Quanto aos bispos, aqueles francamente hostis à Fraternidade podem ser menos perigosos do que aqueles que podem ser amigáveis, mas não entendem as exigências absolutas da Tradição Católica, que não são apenas exigências da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Quanto ao Papa, se suas palavras e ações o mostram trabalhando contra a Tradição Católica, a qual é seu dever defender, então os católicos têm o direito e o dever de protegerem-se a si mesmos tanto contra o modo pelo qual ele está abusando de sua autoridade, como contra a própria necessidade inata deles de seguir e obedecer à autoridade católica. Ora, em teoria, um Papa conciliar pode prometer uma proteção especial para a Tradição da Fraternidade, mas na prática ele deve, por suas próprias convicções, esforçar-se para que a Fraternidade reconheça o Concílio e abandone a Tradição. Dada então sua grande autoridade como Papa para impor sua vontade, a Fraternidade deve manter-se fora de seu caminho.

      A experiência mostra que os tradicionalistas que se incorporam à Roma conciliar podem começar simplesmente guardando silêncio sobre os erros conciliares, mas geralmente acabam por aceitar esses erros. O acordo inicial para ficarem silenciosos é, no final das contas, fatal para sua profissão de fé. E pelo declínio natural de um compromisso a outro, eles podem até acabar perdendo a Fé. Foi a Fé que fez o Arcebispo Lefebvre dizer que, a menos que os romanos conciliares voltem à doutrina das grandes encíclicas papais antiliberais – o que eles não fizeram desde o seu tempo e não estão prestes a fazer no momento –, um diálogo maior entre os romanos e os tradicionalistas é inútil, e – ele poderia ter acrescentado – positivamente perigoso para a Fé.

      O artigo também lista oito objeções a essa posição, apresentadas aqui em itálico com as mais breves das respostas:

1 Com a Prelazia Pessoal, Roma oferece à Fraternidade uma proteção especial. Proteção dos bispos diocesanos, talvez, mas não da autoridade suprema do Papa na Igreja.  2 As exigências de Roma para o acordo vêm diminuindo. Somente porque as concessões à cooperação prática são mais eficazes para obter a submissão dos católicos, como bem sabem os comunistas. 3 A Fraternidade insiste em ser aceita por Roma “tal como somos”, isto é, Tradicional. Para os Romanos, isso significa “como vocês serão, uma vez que a cooperação prática tenha feito vocês verem como somos bons”. 4 Assim, a Fraternidade continuará a atacar os erros do Concílio. Nada há de mudar. Roma pode em seu tempo insistir em mudanças cada vez maiores. 5 Mas o Papa Francisco gosta da Fraternidade!  Tanto quanto o grande Lobo Mau gostava de Chapeuzinho Vermelho! 6 A Fraternidade é virtuosa demais para deixar-se enganar por Roma. Tola ilusão! O próprio Arcebispo foi inicialmente enganado pelo Protocolo de 5 de maio de 1988. 7 Várias comunidades tradicionais incorporaram-se à Roma sem perder a verdadeira Missa. Mas várias delas passaram a defender erros importantes do Concílio. 8 O Papa Francisco como pessoa está no erro, mas sua função é sagrada. Reconhecer a sacralidade de sua função não pode-me obrigar a seguir seus erros pessoais, isto é, o mau uso de sua função. A verdadeira Fé está acima do Papa.

   
      Kyrie eleison.

sábado, 12 de maio de 2018

Capela São José abriga noviciado da Ordem dos Frades Menores


Com grande alegria anunciamos que no último sábado, 05/05/2018, Festa de São Pio V, recebemos em nossa capela os irmãos da Ordem dos Frades Menores.

Os frades, que residiam nas terras do Mosteiro da Santa Cruz em Nova Friburgo, passarão a residir agora em Atibaia/SP, a fim de auxiliarem no apostolado desenvolvido pelo Rev. Pe. Rodrigo H. Ribeiro da Silva, SAJM. 

Rendemos graças ao bom Deus por mais essa graça alcançada, a Dom Tomás de Aquino, OSB, pela confiança, autorização e envio dos frades e a todos os nossos benfeitores. 

Aproveitamos para solicitar a generosidade de todos os fiéis que puderem nos ajudar a manter a estrutura da casa e a cobrir todas as despesas. Que Deus retribua a caridade de todos. 


Frei Afonso, Frei Pedro Maria (guardião), Pe. Rodrigo, Frei José, Andrew Matos (postulante) 

quarta-feira, 9 de maio de 2018

O VERBO E AS PALAVRAS

 
Aquele que escreve um texto deve levar em conta um público. Atualmente a possibilidade de se expressar por meios virtuais se generalizou de tal forma que quase qualquer pessoa pode se dirigir a um número indeterminado de leitores e iniciar uma conversa pela Internet. Supostamente as redes sociais serviriam a isso e embora ninguém questione a eficácia da reprodução massiva de imagens e textos pelo ambiente virtual, o fato é que a “liberdade de expressão” tornada possível pelos veículos de comunicação em massa não está gerando progresso. A comunicação em público tornou-se uma atividade inflacionada e, portanto, perdeu parte de sua relevância. Precisamos de menos circulação da palavra externa e mais circulação da Palavra interna, precisamos de menos discursos humanos e mais do Verbo Encarnado. Conhecer-se a si mesmo, ao invés de adotar uma máscara virtual. Isso exigirá obviamente toda uma reeducação moral e intelectual que provavelmente não será efetivada nesta geração, até porque pertencemos à geração da amplificação dos discursos e não à dos contemplativos.

Estamos a apostar sempre nos ativismos, nas estratégias de ação, na militância político-social contra inimigos conhecidos, independentemente da origem destes. É típico das épocas de desordem social como a nossa, que oradores, retóricos, “artistas” do entretenimento tornem-se celebridades. Os contemplativos, ou seja, os que priorizam a vida interior como base do nosso pensar e agir, em geral são ignorados. É mais fácil protagonizar uma polêmica do que defender a verdade, pois as massas são apaixonadas por competições fúteis, alimentadas muitas vezes pelos egos dos próprios competidores. Querer vencer o outro apenas para obter aplausos é uma das piores formas de vaidade e facilmente envenena a alma, tristes aqueles que se enveredam por este caminho.

Mas estamos em guerra, dirão alguns. Precisamos escolher um lado, aliarmo-nos contra inimigos comuns, deixar desavenças secundárias de lado e batalhar pelo que verdadeiramente importa. Isto também é vaidade se a batalha que se trava visa ao inimigo errado, afinal, antes de aprender a lutar é necessário saber contra quem. Não se vence uma guerra lutando as batalhas erradas, ou com os meios inadequados ou sem o treinamento devido. Entretanto, tal tem sido a sina dos católicos contra o liberalismo, o modernismo e a apostasia geral das nações nos últimos três séculos.

Desde o Concílio Vaticano II os católicos estão divididos grosso modo entre os que aceitam o magistério conciliar e os que rejeitam. Na primeira categoria há os que aceitam sem reservas, e outros que aceitam com reservas. Estes últimos muitas vezes são simpatizantes dos que não aceitam o magistério conciliar, mas ao contrário destes, estão dispostos a “dialogar” com a Santa Sé. Imaginam ser capazes de corrigir os erros dos seus superiores com uma boa e velha conversa democrática. Há também aqueles que acreditam combater os erros do Concílio, mas adotam as mesmas posturas daqueles que não o combatem: são guerreiros que ingenuamente trabalham para o inimigo que imaginam combater. Há ainda como já adiantado anteriormente os que rejeitam o Concílio e efetivamente o combatem com as armas espirituais tradicionais: os sacramentos e a oração. Estes também buscam estudar e usar de argumentos para mostrar aos demais católicos que a crise da Igreja é grave e não se resolverá apenas com ativismo midiático. Todavia isto não parece suficiente para aqueles que chamei de guerreiros ingênuos nem para os dialogantes democráticos. Estes dois grupos católicos elegeram, cada qual a seu modo novas armas para além das armas espirituais tradicionais: são elas a polêmica e o diálogo, a retórica e a dialética. Esquecem, entretanto, que a crise da Igreja recai sob matéria de fé, o que necessariamente implica grau máximo de certeza. Dogmas são maximamente certos porque derivam de Deus mesmo, logo, qualquer concessão ao dogma é concessão ao inimigo.

Dogmas se transmitem, não se discutem. Se o magistério não segue os dogmas tradicionais então devemos resistir a ele e não dialogar. Tampouco tem eficácia a tática de criticar polemicamente certas atitudes da hierarquia que são apenas efeito dos seus desvios doutrinais. Um erro doutrinário deve ser combatido nas suas causas e não apenas nos seus efeitos sociais, econômicos ou políticos. Criar uma polêmica pública por tal ou qual membro da hierarquia ter agido ou deixado de agir de tal maneira é tão útil quanto retirar os frutos de uma árvore achando que está a atingir o seu tronco e suas raízes. Mas como disse mais acima, estamos em tempos de inflação comunicativa, não se busca a verdade e sim a repercussão pública dos discursos. É tentador, sobretudo aos católicos que rejeitam os erros do Concílio, buscar alguma forma de inserção no mundo, nas instituições liberais hodiernas, buscar algum público para ouvi-los. É difícil defender a verdade em tempos de apostasia, pois o catolicismo tornou-se uma religião de “outsiders” e, dada a sociabilidade natural do homem, sempre estamos a buscar algum tipo de comunidade para nos inserir. Isto posto, a tendência é que os próprios católicos busquem meios de ação não-católicos apenas para terem algum tipo de repercussão pública, tornarem-se visíveis de algum modo. Poucos estão dispostos a pagar o preço do exílio político e social numa época liberal-maçônica que visa destruir o Reinado Social do Nosso Senhor Jesus Cristo. E não basta gritar “Viva Cristo Rei!” para que Ele reine, é necessário sobretudo rezar pelo triunfo do Imaculado Coração de Maria, levar a mensagem de Fátima a sério e confiar mais em Deus do que no prestígio dos homens. Devemos combater não como guerreiros ingênuos ou dialogantes democráticos, não com palavras humanas e sim com verdadeira devoção ao Verbo Encarnado.

Tal devoção requer a reza diária do Rosário, uso constante dos Sacramentos, a leitura e meditação de bons textos espirituais, uma piedade ainda mais firme e fervorosa pelo Imaculado Coração de Maria e o Sacratíssimo Coração de Jesus, o estudo do catecismo de Trento, a disseminação e estudo de textos contra o liberalismo, a maçonaria e o modernismo, tantas vezes alertado por Mons. Lefebvre e Dom Mayer. Após a solidificação de todas as etapas anteriores, se a Providência permitir, que se criem apostolados leigos sob a direção de um sacerdote, pois a estrutura da Igreja é hierárquica. Esse apostolado precisará antes de tudo servir de fortalecimento para o próprio grupo recém-formado, confirmá-los na Fé e na devoção a Nosso Senhor e a Nossa Senhora e os frutos virão naturalmente, de acordo com a benevolência da Providência. Por fim, se a ocasião se apresentar oportuna esse grupo já espiritualmente fortalecido e com frutos já comprovados poderá, com o auxílio e sob a direção de um bom sacerdote católico, pensar em articular um meio de ação com alcance social maior depois que o trabalho com as famílias já se mostrou eficiente. Sim, porque o Reinado Social de Cristo deve-se iniciar nas famílias, base das sociedades humanas, só num momento posterior é que os demais corpos sociais absorverão a doutrina e o modo de agir católicos já enraizados nas famílias. O crescimento então será orgânico, da causa para os efeitos, das raízes para os ramos: não é necessário nem se deve pular etapas quando se trata de um apostolado cujas consequências são amplas, pois afinal visa atingir toda a cultura de uma nação. Não se deve buscar um espaço midiático e depois cuidar da salvação da própria alma. Publicar livros e mais livros católicos, enquanto se continua a consumir entretenimentos liberais pela Internet e pela televisão, ou perdendo boa parte do dia com conversas fúteis em redes sociais como WhatsApp e Facebook. Apostolado é transmissão de bens espirituais, se porém, não o cultivamos em nós mesmos, o que então transmitiremos? Se Jesus Cristo não reina em nossas almas reinará na sociedade? A ação católica requer etapas, o agir segue o ser como diriam os escolásticos, e se o nosso ser e o nosso pensar ainda estiverem contaminados de liberalismo e modernismo, nosso agir refletirá esses mesmos erros. É ingenuidade adotarmos o experimentalismo como critério para a ação católica, o famoso “fazer algo é melhor do que não fazer nada”. Fazer algo sem os princípios doutrinais corretos equivale a não agir.

E como não haverá Realeza Social de Cristo sem o triunfo do Imaculado Coração, roguemos a Nossa Senhora para que ela reine e traga em seus braços Nosso Senhor.
Por um Congregado Mariano
 

terça-feira, 1 de maio de 2018

Comentários Eleison DLXIII (563) - Evitou-se a Guerra? - II

Por Dom Richard N. Williamson
Borboletas ao Luar

28 de abril de 2018


      São os judeus o pior problema do mundo? Sim e não.
      Para que sigam seu rumo, eu devo consenti-lo.


     Já que os melhores comentaristas políticos raramente chegam perto da fonte religiosa da história, e, no entanto, como Deus governa o homem, as relações do homem com seu Deus (religião) governam suas relações com seus concidadãos (política), e assim a religião governa a política, então um comentarista religioso deve abrir a dimensão religiosa das questões políticas, estas que a maioria das pessoas sem Deus pode querer positivamente que seus comentaristas políticos deixem em paz. O Deus Todo-Poderoso parece ser muito indesejado no cenário mundial de hoje, por mais que seja Ele, não obstante, seu absoluto Senhor!

      O tema da religião dirigindo de fato a política surgiu nestes “Comentários” semana passada, quando se afirmou que certa raça de homens estava por trás tanto das mentiras da mídia quanto da pressão militar para iniciar a Terceira Guerra Mundial. Levando em consideração quão mortífera as mais recentes armas dos tempos modernos tornarão esta guerra, quem na terra pode pensar que eles ganharão mais do que perderão por causa do conflito global? A resposta é uma raça de homens tão absolutamente certos de sua superioridade sobre todos os outros homens e convencidos de que merecem governar toda a humanidade, e de que eles podem e devem manipular os eventos mundiais até que cheguem ao domínio, por bem ou por mal, porque o fim é tão sagrado que justifica todos os meios. Sagrado? A obliteração da humanidade é algo sagrado? Sim, um senso distorcido do sagrado é a chave para a insanidade: “Nós, o Povo Eleito, somos tão sagrados que ou nós governamos o mundo, ou ele deve ser destruído, e nós mesmos com ele!”.

      O problema é que de Abraão a Cristo eles realmente foram a raça escolhida por Deus para ser o berço e o ponto de partida de Seu próprio Filho Encarnado. Por dois mil anos eles foram estritamente separados do resto dos homens e elevados acima destes, especialmente privilegiados e especialmente punidos quando necessário, seja como for, especialmente tratados para se tornarem aptos para darem ao Divino Filho Sua natureza humana, sua Mãe humana, seus amigos, sua raça e seu entorno, de modo que, como seu Messias, Ele poderia redimir todos os homens de seus pecados. E se o provérbio africano diz que é preciso uma aldeia inteira para formar uma criança, o que não teria custado para formar uma Santíssima Virgem Maria?

      Diga-se hoje o que quiser sobre os desta raça, eles realmente cumpriram sua missão no que diz respeito ao aspecto principal. O drama é que quando seu Messias veio entre eles e provou que Sua missão era conquistar o mundo para o Reino dos Céus e não para a glória deles, eles O crucificaram, e, porque o repudiaram coletivamente desde então, se colocaram na posição de raça do Messias que odeia o Messias, um problema patológico insolúvel, ao menos e até que eles se voltem individualmente ao Cristo que tanto odiaram.

      Desta patologia – ou, antes, teologia – da queda dos judeus por dois milênios, segue uma cascata de consequências para a leitura correta dos eventos mundiais recentes, mas as mais importantes conclusões por extrair-se são as seguintes. Antes de mais nada, se Deus Todo-Poderoso está deliberadamente permitindo que um pequeno número de judeus arquitetem a corrupção e o caos de um grande número de gentios, é somente em ordem a conduzir estes gentios a Ele. Pois, na verdade, a única coisa que os judeus não podem controlar é a Fé verdadeira da única e verdadeira Igreja Católica. Deus não criou o mundo e a Igreja Católica para que as almas caíssem no Inferno, de modo que sempre que as almas retomam a Fé verdadeira elas têm em suas mãos “a vitória sobre o mundo” (I Jo. V,4). E nada nem ninguém pode forçá-las a abandonar a Fé. Se elas abandonam, essencialmente não podem culpar a ninguém mais por isso que não seja a si mesmas.

      Então, façamos com que cada um de nós se volte com seu coração e com sua mente para o único Deus da única Igreja verdadeira (não aquela do Vaticano II), e aos inimigos de Deus, judeus ou gentios, restará somente perder seu poder atual. Eis a única solução para a corrupção e o caos mundial atuais. Se possível, rezem quinze mistérios por dia do Santo Rosário da Santíssima Mãe de Deus, a pessoa humana mais grandiosa que já existiu – uma judia.

Kyrie Eleison


Traduzido por Leticia Fantin.

Se o Limbo é eterno


Carlos Nougué

Certo sacerdote defende entre seus fiéis que o limbo não é eterno. Segundo esse sacerdote, imediatamente antes do juízo final Deus dará às almas do limbo uma prova, de modo que, segundo se comportem diante dela, ou serão salvas e, unidas a seu corpo ressurrecto, ascenderão à beatitude eterna, ou, também reunidas a seu corpo, se condenarão ao fogo eterno da geena.
Mas tal “doutrina”, saída não se sabe de que fábrica, vai contra a doutrina tradicional sobre o limbo, e corrompe de algum modo a fé dos fiéis. Para o confirmarmos, mostremos, ainda que brevemente, o que dizem a este respeito o magistério da Igreja e a Tradição, para depois entregar a palavra a Santo Tomás de Aquino.

I

É certo que nunca houve uma declaração solene do magistério quanto ao limbo. Mas as seguintes palavras de Pio VI, pelas quais defendeu justamente a ortodoxia da crença no limbo contra o conciliábulo de Pistoia, devem bastar-nos para que não demos ouvidos a tão estranha tese:

«O papa declara falsa, temerária, injuriosa às escolas católicas a proposição segundo a qual deve rejeitar-se como a uma fábula pelagiana o lugar dos infernos chamado vulgarmente limbo das crianças [ou dos párvulos], no qual a alma daqueles que morrem somente com o pecado original é punida com a pena de dano [privação da visão de Deus] sem a pena do fogo» (DB 1526).

Naturalmente, a tese que combatemos aqui não nega a existência do limbo, apenas diz que é provisório. Mas as referidas palavras de Pio VI, ao reafirmarem uma doutrina ensinada pelas escolas católicas, afirmam implicitamente também que devemos segui-la por pertencer à Tradição, e a Tradição sempre sustentou a eternidade do limbo. Com efeito, os Padres da Igreja sempre sustentaram (com fundamento especialmente em João 3, 5) a exclusão das crianças não batizadas da visão beatífica de Deus. Ora, a tese combatida defende que algumas almas do limbo, vencida certa prova, terão tal visão – sem todavia estarem batizadas. Logo, incorre em negação de uma doutrina tradicional.  

II

Demos agora a palavra a Santo Tomás, transcrevendo parcialmente o artigo sexto da questão 69 (“De his quae spectant ad ressurrectionem”) do Suplemento da Suma Teológica.

«Artigo 6 ─ Se o limbo das crianças [ou dos párvulos] é o mesmo que o dos Patriarcas.

[...]
Em sentido contrário, assim como ao pecado atual é devida uma pena temporal no purgatório, e eterna no inferno, assim também ao pecado original é devida uma pena temporal no limbo dos Pais [os do Antigo Testamento], e eterna no limbo das crianças. [...]
Respondo: deve dizer-se que o limbo dos Pais e o dos párvulos diferem, sem dúvida alguma, quanto à qualidade do prêmio ou da pena. Pois as crianças não têm nenhuma esperança da vida eterna [ou seja, da beatitude eterna], [esperança] que tinham no limbo os Pais, nos quais também refulgia o lume da fé e o da graça. [...].»

III

Quanto à condição dos que estão (eternamente, insista-se) no limbo dos párvulos, já dissera o nosso Doutor Comum (In IV Sent., I.II, dist. XXX, q. 2, a. 2, ad 5):

«Apesar de as crianças não batizadas estarem separadas de Deus no que concerne à visão beatifica, não estão todavia completamente separadas dele. Ao contrário, estão unidas a Deus pela participação nos bens naturais, e podem assim gozar dele também pelo conhecimento natural e pelo amor natural».

IV

Por fim, perguntemo-nos se a tese aqui combatida não tem algum ponto de contato com a tese neomodernista que nega a ortodoxia ou a existência mesma do limbo. Sim, porque o que parece intolerável a ambas é o fato de que as crianças não batizadas se vejam privadas eternamente da visão beatífica. Mas isso é requerido, como o mostra Santo Tomás, pela justiça divina. O que não é requerido por esta, no entanto, é a mesma existência do limbo, lugar de felicidade natural que decorre da pura misericórdia de Deus.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Comentários Eleison DLXII (562) - Evitou-se a Guerra? - I

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Introibo ad Altare Dei

21 de abril de 2018


Os gentios estão protegidos desde que estejam com Deus,
Mas, se O desprezaram, escolheram serem vítimas dos judeus.



      No fim do mundo haverá “guerras e rumores de guerras”, diz Nosso Divino Senhor (Mt XXIV, 6); mas “olhai, não vos turbeis; porque importa que estas coisas aconteçam, mas não é ainda o fim”. Nas últimas semanas tivemos indubitavelmente rumores de guerra que incluíram a ameaça na Síria de um grande confronto entre as forças armadas dos Estados Unidos e as da Rússia. Desde então a ameaça parece ter diminuído. O que aconteceu, e quais são as perspectivas para o futuro? Estamos agora a salvo da Terceira Guerra Mundial?

      É difícil dizer com certeza, porque é claro que a grande mídia está virtualmente inteira nas mãos daquela raça que está empurrando para essa Terceira Guerra Mundial que ela espera que lhe permita completar sua tirania sobre a humanidade, deixada incompleta por suas duas primeiras Guerras Mundiais. Portanto, praticamente todos os relatórios midiáticos são inclinados em favor das pessoas e dos eventos que poderiam levar à guerra. No entanto, essa raça ainda não conseguiu controlar a Internet, que, no momento, quebrou seu controle monopolista da opinião pública, de modo que se alguém estiver procurando a verdade é ainda possível ouvir vozes sãs. O que se segue é uma versão de eventos a partir do material fornecido por dois comentaristas dos Estados Unidos, ambos acessíveis na Internet: Paul Craig Roberts e “the Saker”:

      O último confronto temido entre EUA e Rússia na Síria foi evitado porque os líderes das forças armadas dos EUA em Washington não arriscariam um conflito com os russos, por causa das terríveis armas russas reveladas recentemente pelo presidente Putin na Rússia. Essas armas parecem capazes de causar estragos em qualquer frota americana que se encontre atualmente no Mediterrâneo. Portanto, os americanos evitaram cuidadosamente um ataque que poderia ter provocado uma retaliação russa, e avisaram aos russos antecipadamente, de modo que a maioria dos mísseis disparados foi abatida pela Síria, e o dano foi mínimo.

      Isto significa que o perigo acabou? De forma nenhuma. A raça mencionada mais acima ainda quer a guerra, e controla a política externa americana, tal como Ariel Sharon uma vez se gabou em Israel: “Nós controlamos os americanos, e eles sabem disso”. De qualquer forma, por todos os meios que estiverem ao seu considerável alcance eles estarão trabalhando nos generais americanos dissidentes e no presidente Trump, enquanto se esforçam furiosamente para desenvolver meios efetivos de defesa contra as novas armas russas. E assim que acharem que superaram esses obstáculos, sua mídia produzirá outro conjunto de mentiras para enganar o estúpido público ocidental, como as “armas químicas” (que já foram há muito tempo completamente removidas da Síria), ou a construção da democracia (os próprios sírios estão bastante felizes com o seu Presidente Assad), ou “Putin é Hitler” (ele continua a mostrar notável tolerância em face da vil provocação ocidental; mas, se ela não cessar, então um dia ele reagirá mais do que compreensivelmente).

      Entretanto, mesmo a influência dominadora dessa raça (pouco mencionada pelos dois comentaristas políticos) não chega ao cerne da questão (que os dois comentaristas não mencionam de jeito nenhum): essa raça é meramente um flagelo usado – e protegido – por Deus para servir a Ele punindo os povos da terra que lhe dão as costas. Assim, essa raça mostrou aos líderes do Ocidente todos os reinos do mundo, gabando-se de que estão em seu poder, e prometeu entregar ao Ocidente a Nova Ordem Mundial, se o Ocidente se inclinasse e a adorasse. Os líderes e as nações ocidentais não foram obrigados a aceitar a oferta, mas fizeram sua livre escolha.

      Portanto, a menos que os líderes e as nações ocidentais comecem a dar a resposta correta a essa oferta, a saber: “O Senhor teu Deus adorarás, e a Ele só servirás”, essa raça continuará a usar todos os talentos especiais que Deus lhe deu para tentar e flagelar. Assim, parece provável que a III Guerra Mundial eventualmente ocorrerá, se não na Síria, então onde quer que mais nações sem Deus possam ser enganadas.


      Kyrie eleison.

domingo, 15 de abril de 2018

Comentários Eleison DLXI (561) - Anti-Lefebvrismo - II

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Borboletas ao Luar

14 de abril de 2018


Demos graças a Deus pelo grande presente que nos concedeu:
O Arcebispo Lefebvre, por quem a Tradição ascendeu.

      Existe alguma razão pela qual NM (ver os “Comentários” da semana passada), ao lidar com o problema dos Papas Conciliares, recorre à solução dramática de declarar que eles não são Papas? Parece haver. A Igreja Católica é tanto humana (uma sociedade constituída por seres humanos) como divina (animada especialmente pelo Espírito Santo), e é importante não confundir as duas coisas. Os seres humanos, como tais, são todos falíveis. Somente Deus é infalível. O erro dos católicos que recorrem à solução dramática de NM é que eles estão atribuindo aos Papas humanos muito da infalibilidade que só pode vir de Deus. Vamos usar como exemplo algo que há em uma casa moderna qualquer.

      Quando eu enfio um plugue elétrico em uma tomada na parede, a corrente elétrica não vem do plugue, mas da estação de energia através da parede, e qualquer aparelho precisa receber a corrente elétrica pela tomada no plugue. A central elétrica é Deus. A parede e a tomada são a Igreja. A corrente é a infalibilidade da Igreja, vinda de Deus. O plug são as quatro condições que somente o Papa pode inserir na tomada. Essas condições, claro, são: que ele 1) fale como Papa 2) para definir de uma vez por todas 3) uma questão de fé ou de moral 4) com a intenção de obrigar todos os católicos a aceitá-la. Através do envolvimento das quatro condições pelo Papa, ele somente e ele garantiu o acesso como ser humano à infalibilidade divina da Igreja. As quatro condições envolvem o Papa. A infalibilidade envolve Deus.

      Ocorre também, é claro, que essa tomada específica, conhecida como Magistério Extraordinário da Igreja (ME), não é o único acesso dos seres humanos à infalibilidade da Igreja. Eles aderem a ela muito mais pelo Magistério Ordinário da Igreja (MO), que é a Tradição Católica, ou, o que todos os mestres da Igreja, Papas e Bispos em particular, ensinaram em todo o mundo desde que Jesus Cristo depositou esse Depósito da Fé em Sua Igreja, confirmada infalivelmente nos Apóstolos em Pentecostes e transmitida infalivelmente por eles até que o último deles morreu. A partir de então, essa doutrina passou a estar nas mãos de seres humanos falíveis, a quem Deus deixou o livre arbítrio para ensinar o erro se assim decidissem fazê-lo. Mas, se alguma vez o erro humano tornou duvidoso o que pertenceria à doutrina infalível e o que não pertenceria, Deus deu à Sua Igreja também o Magistério Extraordinário, precisamente para definir de uma vez por todas o que pertence e o que não pertence ao Magistério Ordinário. Assim, o MO está para o ME como o cão está para a cauda, ​​e não como a cauda está para o cão!

      O problema de inúmeros católicos desde a definição solene em 1870 sobre a infalibilidade da Igreja é que, uma vez que o acesso do ME à infalibilidade da Igreja está automaticamente garantido de uma maneira em que o acesso do MO não o está, então o ME parece superior, e os católicos tendem a exagerar o ME e a transferir pessoalmente para o Papa essa infalibilidade que na realidade pertence automaticamente somente à Igreja. Isso significa que se o Papa cometer sérios erros como os dos Papas conciliares, então a única explicação possível é que eles não são Papas. Ou, se são Papas, então é preciso seguir seus erros. A lógica é boa, mas a premissa é falsa. Os Papas não são tão infalíveis quanto a Igreja. Eles podem cometer erros sérios, como o mostraram o Vaticano II e seus Papas Conciliares, como nunca antes em toda a história da Igreja! Mas a Igreja continua infalível, e, portanto, eu sei que a Tradição Católica durará até o final do mundo, apesar do pior que qualquer Papa fraco possa tentar fazer daqui por diante.

      Mas como é que eu sei que para o Papa como Papa pertence somente o acesso privilegiado (quatro condições) à corrente elétrica (infalibilidade), e não a corrente em si que pertence à parede (a Igreja)? Porque é o que diz a própria definição de infalibilidade em 1870! Eu só preciso ler: quando o Papa cumpre com as quatro condições (mencionadas acima), ele então possui “aquela infalibilidade da qual o divino Redentor quis que gozasse Sua Igreja na definição de doutrina relativa à fé ou à moral”.

      Assim, os Papas católicos têm liberdade para cometer erros terríveis, sem que a Igreja seja menos infalível.

      Kyrie eleison.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Comentários Eleison DLX (560) - Argumento (Anti) "Lefebvrista"

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Introibo ad Altare Dei

07 de abril de 2018


O Arcebispo Lefebvre era sábio – sua regra era de ouro,
“Reconhecer, mas resistir” não é algo tão tolo!



Para atacar os sacerdotes dominicanos franceses de Avrillé por seu “Lefebvrismo”, ou seja, por sua recusa em aceitar que os Papas conciliares desde Paulo VI não foram Papas, um leigo francês – Sr. N. M. – acaba de escrever um artigo acusando os dominicanos de rejeitarem três dogmas católicos: que o Papa tenha primazia de jurisdição sobre a Igreja Universal; que o Magistério Ordinário Universal da Igreja é infalível; que é o Magistério vivo da Igreja que determina o que os católicos devem crer. Normalmente é melhor deixar essas questões de doutrina para os especialistas em doutrina, mas os nossos tempos não são normais. Hoje, os católicos podem confiar em seu bom senso católico para decidir essas questões por si mesmos.

Olhemos para as três perguntas de maneira simples e prática. Se eu quero aceitar que os Papas foram verdadeiros Papas desde Paulo VI, por que eu deveria negar, em primeiro lugar, que o Papa é o Chefe da Igreja; em segundo lugar, que o ensino normal da Igreja é infalível; e, em terceiro lugar, que o Papa reinante me diz em que devo acreditar? Vejamos os argumentos de N. M., um por um.

Quanto ao primeiro ponto, N. M. cita o completamente antiliberal Concílio Vaticano I (1879-1871) no sentido de que o Papa é o Chefe direto e imediato de todas as dioceses, de todos os sacerdotes e de todos os católicos. Se, então, como todos os lefebvristas eu me recuso a obedecê-lo, estou implicitamente negando que ele seja meu Chefe enquanto católico, então estou negando que o Papa é o que o Vaticano I o definiu ser. Resposta: eu não estou de forma nenhuma negando que os Papas conciliares têm a autoridade para comandar-me como católico; estou apenas dizendo que sua autoridade católica não inclui a autoridade para tornar-me um protestante, como farei caso eu siga suas ordens de acordo com o Vaticano II.

Em segundo lugar, N. M. argumenta que o Vaticano I também afirmou que o ensinamento cotidiano do Papa e dos Bispos é infalível. Ora, se alguma vez tivemos um ensinamento sério do Papa e dos Bispos juntos, foi no Vaticano II. Se, então, eu recuso esse ensinamento, estou implicitamente negando que o Magistério Ordinário Universal da Igreja seja infalível. Resposta, não, eu não estou. Reconheço plenamente que quando uma doutrina é ensinada pela Igreja em quase toda parte, em todos os tempos e por todos os Papas e Bispos, ela é infalível, mas se foi ensinada apenas nos tempos modernos do século XX pelos Papas e Bispos do Vaticano II, então é contrária ao que foi ensinado pelos Papas e Bispos em todos os outros tempos da Igreja, e eu não me considero obrigado a aceitá-la. Enquanto eu aceito o MOU consistente de todos os tempos, então eu rejeito o MOU inconsistente de hoje, que o contradiz.

Em terceiro lugar, N. M. argumenta que o verdadeiro Papa tem a autoridade viva para dizer-me como católico no que devo crer hoje. Se então me recuso a acreditar no que os Papas conciliares me disseram para crer, estou rejeitando sua autoridade viva como árbitros da Fé. Resposta: não, eu não estou. Eu estou usando meus olhos para ler, e meu cérebro dado por Deus para julgar, que o que os Papas conciliares me dizem contradiz o que todos os Papas anteriores até São Pedro me disseram, e eu prefiro seguir a consistência de duzentos e sessenta e um Papas dizendo-me no que acreditar do que a inconsistência de seis Papas Conciliares. “Mas então você está rejeitando a autoridade viva do Papa reinante como árbitro da Fé!”. Somente porque eu estou seguindo, obedecendo e submetendo-me aos duzentos e sessenta e um Papas como árbitros dessa Fé que meus olhos e meu cérebro me dizem que os Papas conciliares não estão seguindo. “Mas então você está apoiando seus próprios olhos e cérebro contra o Papa católico!” Deus me deu olhos e um cérebro que funcionam, e quando eu estiver diante Dele para ser julgado, responderei pelo uso que fiz deles.

É claro que a própria resposta de N. M. ao problema dos Papas protestantes, modernizadores e conciliares é negar que eles sejam Papas. Deveria ser igualmente claro que, para o problema, que é muito real, não estou obrigado a adotar a solução drástica de N. M. Tampouco, se me recuso a adotá-la, sou obrigado a negar três dogmas da Igreja. Que a paz esteja com N. M.

Kyrie eleison.


quarta-feira, 4 de abril de 2018

Voz de Fátima, Voz de Deus - Nº 56

Mosteiro da Santa Cruz

03 de abril de 2018



Estamos, neste artigo, continuando as considerações que fizemos em nosso número anterior sobre a Santa Igreja.

A Igreja Católica define-se com mais propriedade como sendo o Corpo Místico de Cristo. E nesse corpo, Nosso Senhor Jesus Cristo é a cabeça e todos os mais que pertencem a esse mesmo corpo (inclusive o Papa) são seus membros.

Dessa Cabeça divina desce a graça santificante a seus membros. E essa graça é para todos os homens (ainda que nem todos a recebam), desde Adão até o último homem que existir. Portanto, mesmo os homens do Antigo Testamento que tiveram a dita de a receber, receberam-na por Nosso Senhor Jesus Cristo, e pertenciam à Igreja Católica. E se alguém, por acaso, se salva com o batismo de desejo, pertencendo externamente a uma falsa religião, na verdade pertence à Igreja Católica, mesmo sem o saber.

Vimos uma primeira distinção em partes, que se pode fazer na Igreja: uma parte é a Cabeça, e a outra os membros. Mas a Igreja é uma realidade complexa, acerca da qual precisamos fazer várias outras distinções para poder bem compreendê-la. Com efeito, sob um outro aspecto, o do lugar onde se encontram os seus membros, podemos distinguir a Igreja triunfante (composta por aqueles que estão no Céu), a Igreja padecente (composta por aqueles que estão no Purgatório) e a Igreja militante (composta por aqueles que estão na Terra). Ainda, sob o aspecto da guarda e da transmissão da Revelação, faz-se a distinção entre a Igreja docente (a que ensina: o Papa e os Bispos) e a Igreja discente (a que é ensinada: os demais membros). Mais outro aspecto: a Igreja, que é comparada a um homem, tem um corpo e uma alma. E nesse corpo podemos distinguir seus membros vivos e seus membros mortos. Os vivos são os que estão recebendo, da Cabeça, a vida sobrenatural da graça santificante. Os mortos são os que não estão recebendo essa vida. São como os membros gangrenados de uma pessoa: esses membros pertencem ao corpo aparentemente, materialmente, mas não formalmente, pois o sangue não os irriga mais; neles não está mais a vida do corpo.

Em uma próxima vez, se Deus quiser, continuaremos nossas considerações sobre este tema.

Arsenius