Ordenação sacerdotal de Dom Tomás de Aquino

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Comentários Eleison DLII (552) - Defendendo Menzingen

Por Dom Richard N. Williamson
Tradução: Leticia Fantin
Blog Borboletas ao Luar

10 de fevereiro de 2018


Desde cima reina a confusão,
Rezem pelo Papa e pelos Bispos, antes que venham a falecer!

      Graças às palavras e aos atos diretamente anticatólicos dos últimos cinco anos manifestados pelo presente ocupante da Sé de Pedro, delinquências estas cujo caminho fora inaugurado pelo Vaticano II, é menos compreensível que nunca que os sucessores de Dom Lefebvre ainda queiram colocar a Fraternidade sob o controle romano; mas, de fato, eles querem. Um chapéu cardinalício ser-lhes-ia atraente? Teriam cansado da batalha? Estariam desesperados para serem “reconhecidos” pelos conciliaristas? E a pensar realmente que o Arcebispo aprovaria o que estão fazendo? Só Deus o sabe. Independentemente do que seja, os servidores de Menzingen ainda estão tentando defender seus vinte anos de desvio da posição do Arcebispo. Eis dois exemplos recentes:

      Em primeiro lugar, para defender a política de Dom Fellay de aceitar de Roma uma prelazia pessoal, um padre da Fraternidade (http://fsspx.news/en/content/34797) parece pensar que tal prelazia garantirá a ela proteção contra os modernistas em Roma. Mas Roma controlará ou não a prelazia? Se ela estiver no controle, demorará o tempo que for necessário, como aconteceu com a Fraternidade São Pedro, mas usará seu controle lentamente para estrangular a Tradição dentro da prelazia. Pensar o contrário é simplesmente não ter compreendido o que esses romanos são.  “Somente santos acreditam no mal”, disse Gustavo Corção. O Arcebispo os chamava “anticristos”. E se a prelazia não os colocasse no controle, eles nunca a concederiam, antes de mais nada.

      Em segundo lugar, o padre tenta desacreditar os adversários da prelazia afirmando que eles dizem que o Arcebispo mudou seus princípios quando recusou o Protocolo de Maio de 1988. A afirmação é infundada. Como o próprio padre diz, a mudança do Arcebispo foi meramente prudencial, seguindo a demonstração definitiva que os romanos haviam acabado de dar nas negociações do Protocolo, de que eles não tinham intenção nenhuma de manter a Tradição tal como a Fraternidade e o Arcebispo a compreendiam. Enquanto os romanos deram qualquer sinal de preocupação genuína com a Tradição, o Arcebispo foi paciente, e foi tão longe quanto pôde para encontrá-los (de fato, no Protocolo foi além do que deveria, como ele uma vez, mais tarde, admitiu). Mas uma vez que eles deixaram claro que na realidade não tinham tal preocupação, então o Arcebispo foi inexorável – a partir daí, a doutrina tomaria o lugar da diplomacia, e os romanos teriam de provar, antes de tudo, que sua doutrina era a da Tradição Católica. Não houve da parte do Arcebispo mudança de princípios, senão que um mero reconhecimento final de que os romanos estavam voltados para a descristianização, e não para a recristianização, como ele escreveu um mês depois ao Cardeal Ratzinger.

      Da mesma forma, o blog Catholic Family News de novembro do ano passado serve a Menzingen. O blog é inteligente, e especula que a isca e a armadilha reais de Roma para apanhar a Fraternidade não são visar à sua rendição maciça, mas à sua divisão e desintegração gradual (de fato, Roma está alcançando ambas). Assim, Roma faz repetidas ofertas sedutoras, e cada uma delas divide os sacerdotes da Fraternidade, de modo que alguns se separem, enquanto Menzingen aumenta suas esperanças, somente para vê-las despedaçadas por outra exigência impossível de Roma. E o jogo continuará até que a Fraternidade esteja completamente desfeita. Portanto, conclui o CFN, a Fraternidade tem de permanecer unida a todo custo, e nenhum padre da Fraternidade deve desertar.

      Mas, caro CFN, em primeiro lugar, como o Arcebispo construiu sua Fraternidade? Certamente ele também sofreu com divisões e deserções sob suas ordens. Ele por acaso a construiu clamando por unidade, unidade, unidade? Este foi o maior argumento de Roma contra o Arcebispo! Seu maior argumento foi a Fé, a Verdade, a Fé. Advogar, como vocês fazem, em favor da unidade da Fraternidade por detrás dos pró-Roma de Menzingen, é advogar pela destruição da Fraternidade! A unidade é sempre especificada pelo entorno ao qual se deve unir. Sob a direção do Arcebispo, o que estava em torno era a Fé Católica, que era toda a força da Fraternidade. Desde 2012, ela está em torno de Menzingen, que hoje é a divisão e a ruína da Fraternidade.

      Tenham coragem, caríssimos leitores. “A Verdade é forte e prevalecerá”, com ou sem a Fraternidade Sacerdotal São Pio X.                                    
                                                                                                                                        
      Kyrie eleison. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário